Solidariedade com Rojava

Denunciamos o ataque do estado turco à revolução de Rojava. O que o povo curdo experimenta em Rojava ensina-nos como uma sociedade ecossocialista e ecofeminista podia ser construída.

Divulgamos o comunicado circulado pelo Rise Up For Rojava e apelamos à participação na concentração em frente à Assembleia da República esta quarta-feira (dia 16 de outubro) às 17h00, Não Abandonamos Rojava, e no Dia de Acção Global por Rojava este sábado (dia 19 de outubro) às 15h00 no Príncipe Real, Lisboa.


Uma revolução começou em Rojava há sete anos, mudando radicalmente a vida de milhões de pessoas. O povo curdo uniu-se a diversos outros povos da região e se organizou em conselhos autónomos, comunas e cooperativas, libertando-se assim da ditadura do regime de Bashar al-Assad. Em particular, a organização autónoma das mulheres tornou-se a força motriz por trás da revolução social e política da região. Durante a luta contra o Estado Islâmico, desenvolveu-se um projeto multi-étnico e multirreligioso singular, que hoje garante a coexistência pacífica de milhões de curdos, árabes, assírios, yazidis, arménios, cristãos e muçulmanos. Este projeto, nomeado de Federação Democrática do Nordeste da Síria, está assentado na Crescente Fértil, uma das regiões mais ricas em recursos naturais da região, e é um exemplo único da construção de um governo pacífico e democrático no Oriente Médio. Por tudo isso, tal experimento revolucionário sempre foi visto como um problema para os poderes regionais (notadamente pelos governo de Assad na Síria e Erdoğan na Turquia) e imperialistas (de um lado por Putin, que vê Turquia e Síria como aliados estratégicos da Rússia e por outro a posição ambígua dos EUA) .

Nos últimos dias e semanas, as ameaças da Turquia contra a Federação Democrática do Nordeste da Síria atingiram um novo nível. O governo de Erdoğan anunciou que está pronto para invadir Rojava, território autónomo e auto-gerido no norte da Síria, o que pode reacender a guerra civil no país. O presidente Erdoğan quer massacrar aquelas pessoas que derrotaram o DAESH, grupo jihadista, terrorista e fascista conhecido como Estado Islâmico. Tanques e canhões pesados já estão esperando na fronteira turca, os caças F-16 estão prontos e o exército de ocupação turco está se preparando para acabar com a Federação Democrática. No seu rastro, existem milhares de membros de facções islâmicas esperando para marchar para Rojava e nordeste da Síria. Isto significa o mesmo que vemos todos os dias em Afrin, parte do território de Rojava que foi ocupado pela Turquia em janeiro de 2018: assassinato, estupros, torturas, a expulsão da população local e a reorganização de grupos extremistas islâmicos sob proteção do Estado turco. Uma nova guerra levaria a Síria e todo o Oriente Médio a um novo caos e expulsaria centenas de milhares de pessoas pelas tropas turcas e de seus mercenários islâmicos.

Mas se o governo turco e seus capangas esperam que seus sonhos de genocídio se tornem realidade, eles não levaram em conta a resistência das Unidades de Defesa das Mulheres (YPJ) e as Unidades de Defesa do Povo (YPG) – e especialmente a resistência do povo no norte e no leste da Síria. Aqueles que derrotaram DAESH através do sacrifício de milhares de mártires e a resistência corajosa da população defenderão as áreas autogovernadas contra uma invasão turca.

Todos nós devemos fazer a nossa parte e cumprir nossa responsabilidade de defender essa revolução!

A cooperação militar, económica e diplomática entre a Turquia, os EUA, a OTAN e os países europeus deve ser denunciada e atacada politicamente. Não há apoio para Erdogan, seu regime e sua guerra! Nenhum suprimento de armas, nenhuma ajuda financeira ou política para as ações genocidas da Turquia!

Se os movimentos democráticos e progressistas decidirem colocar a questão em suas agendas, na média, nas ruas, nas fábricas, empresas e salas de aula de seus países, poderemos desenvolver uma força comum contra os planos de guerra da Turquia. Temos de construir uma resistência política permanente capaz de impedir a cooperação com o fascismo turco nos demais países.

Está chegando o Dia X, o começo de uma invasão turca: tomem as ruas, realizem ações, ocupem, perturbem e bloqueiem! Mostre aos responsáveis nos escritórios do governo e nos locais de trabalho o que você acha da guerra deles! Juntos podemos parar a guerra de agressão da Turquia! Nenhuma guerra contra o norte da Síria!

A revolução no nordeste da Síria sairá vitoriosa, todo fascismo será esmagado!

#riseup4rojava

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Facebook
Instagram
Flickr
RSS
Vimeo