Despejos em tempo de corona – Manuel Araújo

Na passada 5a feira, o primeiro ministro António Costa dirigiu-se ao país. Falou de uma “batalha de todos” e “uma luta pela sobrevivência” contra a epidemia do covid-19 e anunciou novas medidas de contenção, como o fecho das escolas e limitações ao funcionamento de espaços públicos. O objetivo é que as pessoas fiquem em casa, para limitar ao máximo o contacto social e assim prevenir a propagação do vírus.

Na manhã seguinte, estavam agentes da polícia com shotguns a garantir a realização de mais um despejo ordenado pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) no bairro Alfredo Bensaúde, nos Olivais. Nas últimas três semanas foram despejadas neste bairro pelo menos 14 famílias, ou seja cerca de 80 pessoas, das quais cerca de metade são crianças. Estas pessoas estão agora a viver nas ruas do bairro, em carrinhas de debaixo de lonas.

Para além deste bairro, a CML despejou na última semana famílias na Ameixoeira e no bairro das Salgadas, em Chelas. Se o despejo sem qualquer alternativa é já em qualquer situação um atropelo do direito fundamental de qualquer pessoa a uma habitação digna, nesta altura torna-se também um crime contra a saúde pública e coloca toda a população em risco, comprometendo a eficácia das medidas de contenção. Como é que se faz quarentena sem casa?

One thought on “Despejos em tempo de corona – Manuel Araújo

  1. Bem dito e escrito Manel! Esse pessoal do governo que abra os olhos e aja como deve ser, está dito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Twitter
Instagram
RSS
Vimeo
Flickr
Climáximo