Ventiladores Gate – Jonathan Neale

Um grande mal está a desenrolar-se. A maioria das pessoas ainda não entende.

Na Grã-Bretanha, amigos meus ficam indignados ao descobrir que o governo está a considerar ordenar que pessoas com coronavírus com mais de 75 anos não sejam transferidas de casas de repouso para hospitais. Outros amigos estão indignados por terem doenças graves, e os gestores do serviço nacional de saúde terem escrito a pedir que considerassem assinar um formulário de Não reanimação (DNR).

Nos EUA, muitas pessoas ficam indignadas ao descobrir que os hospitais planeiam deixar os idosos e aqueles com condições de saúde subjacentes para morrer.

Enfermeiras

Essas pessoas têm razão em ficar indignadas. Nós somos testemunhas do mal. Mas o problema não são as decisões dos hospitais. O problema é que as autoridades na maioria dos países não encomendaram ventiladores suficientes. E eles mentiram-nos sobre isso. E eles ainda não estão a construir ventiladores suficientes e estão a mentir-nos sobre isso.

Um estudo recente do respeitado grupo de pesquisa de coronavírus do Imperial College London estima que, no auge da epidemia em cada país de rendimento elevado, haverá uma média de um ventilador para cada sete pacientes que precisam de um. Nos países de baixo rendimento, haverá uma média de um ventilador para cada vinte e cinco pessoas que precisam de um.

Os ventiladores são máquinas que bombeiam oxigénio para os pulmões quando não consegues respirar. O Covid-19 mata enchendo os pulmões com líquido. Se isso acontecer, um ventilador pode ou não salvar-te. Mas é a única coisa que o pode fazer.

Quando há mais pacientes com os pulmões a encher do que ventiladores, os médicos precisam de fazer uma triagem. Eles têm de decidir tratar algumas pessoas com os pulmões a encher. Os outros serão sedados e cuidados até morrerem.

A equipa do hospital na Lombardia, no norte da Itália, em Madrid, no estado espanhol, em alguns hospitais em Londres e em Nova York já atingiram a capacidade. Muitos, se não a maioria, dos hospitais urbanos nos EUA e no Reino Unido também atingirão a capacidade. Quando não há ventiladores suficientes, os médicos e outras equipas de saúde precisam de decidir em que base escolher quem tem acesso a um ventilador e quem não tem.

Os mais aptos

Onde quer que isso aconteça, os médicos decidem não tratar pessoas acima de uma certa idade (que varia) e não tratar pessoas mais jovens com sérias condições subjacentes. As condições subjacentes importantes são problemas do sistema imunológico, como diabetes e HIV, e problemas respiratórios, como Doença de obstrução pulmonar crónica e perda parcial da função pulmonar.

Então os médicos olham para os outros pacientes e colocam os mais jovens e mais fortes nos ventiladores.

Esta é uma terrível decisão a ser tomada. Tenho 71 anos. O meu parceiro tem 75 anos. Um dos meus filhos adultos tem problemas pulmonares crónicos. Ainda é a decisão certa. É a lógica de toda a medicina no campo de batalha.

O motivo é simples. Idosos e pessoas com doenças graves são muito mais propensas a ficar realmente doentes com coronavírus e muito mais propensos a morrer. Pessoas com coronavírus precisam de uma média de duas semanas num ventilador. Pessoas mais jovens e em melhor forma ocupam a máquina por menos tempo, e um ventilador pode salvar mais vidas.

Qualquer adulto decente tomaria a mesma decisão. Mas ninguém deveria ter de tomar essa decisão.

Famílias

Não são apenas os médicos que fazem a triagem. O New York Times publicou fotografias maravilhosas, terríveis e comoventes da epidemia em Bergamo, Itália. Nessas fotos, podem ver-se os rostos dos membros da família enquanto esperam os paramédicos decidirem se levam o pai ou o marido para o hospital.

Os EUA, o Reino Unido e outros governos receberam bastantes avisos. Eles não começaram a fabricar ventiladores. Mentiram para todos sobre o que estava por vir. Eles já viram o que aconteceu na China, Itália e França. Eles ainda não estão a fabricar ventiladores. Eles estão a mentir-nos sobre isso.

Tudo sobre o material hospitalar agora é uma promessa vazia envolvida numa mentira dentro de um imbróglio.

Dez milhões de pessoas perderam o emprego nos Estados Unidos nas últimas duas semanas. Eles perderam o seguro de saúde no mesmo dia. Eles querem trabalho. Dez empresas diferentes dizem que construirão ventiladores. As fábricas ficam vazias em todas as cidades. Os projectos são de conhecimento público. E, no entanto, o governo está a fazer – o quê? A aguardar procedimentos de compras?

O exército devia estar nessas fábricas agora, a emitir ordens para todos os executivos que não estão na fábrica, a transportar metal, a telefonar para os trabalhadores e implorar que eles vão trabalhar imediatamente. Os sindicatos deviam estar a invadir as fábricas. Os funcionários hospitalares e as famílias dos pacientes deviam estar aos berros nas redes sociais.

Cuidados intensivos

Um certo número de mortes já está a ocorrer porque os governos não fizeram nada sobre os ventiladores e mentiram-nos. Mas uma pressão pública massiva pode dar um empurrão inicial no processo. Se não houver ventiladores suficientes para Nova York ou Londres, eles podem ser suficientes para Swansea ou Detroit.

Se eles não fazem o suficiente para esses lugares, ainda há tempo para forçá-los a fazer o suficiente para os países pobres, quase sem ventilação, onde a epidemia está apenas no início.

O poder do povo forçou governos e estados em todo o mundo a travar. O poder do povo também pode forçar os governos a produzir ventiladores. Mas estamos numa corrida contra o tempo.

Primeiro, quando os ventiladores acabam, não são apenas as pessoas com Covid-19 que morrem. A revista Economist tem verificado as taxas de mortalidade no último mês em cidades no centro da epidemia na Itália, Espanha e França. Em cada um dos casos, eles descobriram que a taxa de mortalidade aumentou em relação ao normal e o aumento foi mais do dobro do número de mortos por Covid-19.

Ou seja, outros pacientes, com outras doenças, que não tiveram acesso a realizar operações, a quimioterapia, a ambulâncias, a camas hospitalares ou camas de cuidados intensivos, também morreram na pandemia.

Acerto de contas

Existem governos que dirão que essas mortes aconteceriam de qualquer maneira. Mas isso é outra mentira.

Segundo, algumas pessoas dizem que o confinamento não faz sentido porque quando os governos terminarem o confinamento, as pessoas ficam doentes de qualquer modo. Mas o objectivo de um confinamento é impedir que os vulneráveis fiquem doentes até que haja ventiladores e funcionários suficientes para tratá-los.

Terceiro, se tu és vulnerável, como eu, como as pessoas que amo, as informações neste artigo podem ser aterrorizantes. Eu sei disso. Mas estas informações são cruciais se tu e aqueles que amas devem permanecer seguros.

Quarto, como tudo sobre esta epidemia, como tudo sobre este sistema global tóxico, o sofrimento nos países pobres será infinitamente pior.

Finalmente, quando isto acabar, haverá um acerto de contas com as pessoas que nos mentiram. E quando isto acabar, não voltaremos à “normalidade”. O nosso objectivo deve ser criar um mundo onde os seres humanos possam cuidar uns dos outros adequadamente. Um mundo em que financiamos os nossos hospitais antes de resgatar os nossos bancos.


Artigo de Jonathan Neale, publicado originalmente no TheEcologist.org a 3 de Abril de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Instagram
RSS
Vimeo
Flickr