5Nov | Ganhar a vida: transição ecossocial e trabalho | debate em catalão

La Xarxa d’Economia Solidària (A Rede de Economia Solidária), em colaboração com Observatori del Deute en la Globalització, Ecologistes en Acció, Entrepobles e Extinció o Rebel·lió, está a organizar uma série de palestras “Ganhar a vida: transição ecossocial e trabalho” cujo objetivo principal é promover um amplo debate sobre quais mudanças são necessárias no mundo do trabalho para colocar a vida no centro e alcançar um sistema produtivo justo e sustentável, e fazê-lo com a diversidade de atores que atuam este cruzamento.

No dia 5 de Novembro, às 18h00 (hora portuguesa), a Matilde do Climáximo participou no debate “O Desafio da Reconversão Industrial pela Transição Ecossocial” para apresentar a campanha Empregos para o Clima.

Aqui fica o vídeo:


Descrição: Os perigos associados, no presente e principalmente no futuro, à desorganização do sistema climático que as emissões de gases de efeito estufa (GEE) estão a produzir, tornam cada vez mais difícil não reconhecer que vivemos uma emergência climática global. Uma emergência que, infelizmente, não vem sozinha. Por pelo menos dois séculos o desenvolvimento do capitalismo industrial, hoje hegemónico em todo o mundo, foi acompanhado por um severo grau de destruição ecológica e uma profunda transformação social que rompeu quase todos os elos com as formas de produzir e reproduzir de sociedades pré-industriais. O conjunto cumulativo desta devastação ecológica e deste novo quadro económico-institucional, tem dado origem a uma profunda crise ecossocial, em que às alterações climáticas se junta a perda da biodiversidade, os limites da disponibilidade de materiais e dos recursos energéticos fósseis, a perda de solo fértil, a crise de cuidado, a falta de autonomia material e econômica, e um longo e assim por diante. Diante desse cenário, não é surpreendente que o consenso em torno da necessidade de reduzir as emissões globais de GEE esteja se tornando mais generalizado. Mas surge inevitavelmente uma questão: o que essa redução implica para nossa organização económica, nosso sistema político ou nossos modos de vida? É necessário explorar a ligação entre trabalho (e dentro dele, emprego) e emissões de GEE, para explorar onde estamos, quais bases estão sendo colocadas diante da Transição Ecossocial e que tipo de transformações no trabalho devem acompanhar a redução de emissões necessária e urgente.

A emissão em direto nos sites fesc.xes.cat e plataformess.org .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Instagram
Vimeo
RSS
Flickr