10Jan | Comunidades e Democracia Energética com Coopérnico e Friends of the Earth Europe

(in english below)
 
Vídeo no final da página, video on the bottow of the page.

Para acompanhar o live via zoom inscrever em: tinyurl.com/dem-energetica

Num contexto de inação climática por parte dos governos e instituições, e de pobreza energética, uma transição energética justa é urgente. 
 
O inquérito anual da EU sobre o Rendimento e as Condições de Vida, estima que em 2018, Portugal foi o quinto país Europeu, e o segundo da União Europeia, com maior percentagem da população incapaz de manter a habitação adequadamente quente no inverno. Para além disso, o Observatório da Energia estima que entre 2 a 3,6 milhões de portugueses sofram de alguma forma de pobreza energética. Também na EU os dados apontam para 37 a 98 milhões de europeus em situação de pobreza energética. 
 
Por outro lado, grandes empresas de energias fósseis, sobre o pretexto da transição energética tiram proveito dos fundos europeus, encerraram infraestruturas não rentáveis, e garantem o controlo da produção de energias renováveis, sem garantir aos trabalhadores os seus rendimentos nem a criação postos de trabalho dignos. 

As cooperativas e comunidades energéticas têm sido veículos importantes na promoção da produção de energias renováveis, e na luta pelo controlo democrático sobre a produção de energia.

No dia 10 de Janeiro, pelas 19 horas vamos falar com Guilherme Luz e Molly Walsh.
 
Molly Walsh estudou Ciências Ambientais na UCD, na Irlanda, e começou a sua carreira de campanha trabalhando na Irish National Climate Policy. Atualmente trabalha na Friends of the Earth Europe, em Bruxelas, e faz campanha para que a transição energética esteja nas mãos da comunidade. O seu trabalho inclui a coordenação da Community Power Coalition, e trabalho de advocacia junto da UE, e de apoio ao movimento pela democracia energética. É co-autora de Community Energy, A Practical Guide to Claiming Power, lançado em outubro de 2020. Este está disponível em http://foeeurope.org/sites/default/files/climate_justice/2020/community-energy-guide.pdf, e tem como objetivo inspirar e ajudar a compreender as etapas para criar um projeto de energia da comunidade e, assim, promover uma transição energética. No seu tempo livre, ela gosta de cozinhar, andar de bicicleta e tomar medidas diretas contra a energia suja.
 
Guilherme Luz é um entusiasta do cooperativismo e membro da Coopérnico, onde se dedica à inovação tecnológica. É também estudante de doutoramento em Sistemas Sustentáveis de Energia na Universidade de Lisboa e investigador em outros projetos. A sua investigação é altamente interdisciplinar, desde as dinâmicas sociais e políticas da transição energética (sobre o papel dos prosumidores e as comunidades de energia) até à modelação e otimização de sistemas de energia.
 

Energy Communities and Energy Democracy, with Coopérnico and Friends of the Earth Europe: Online Session live on Climáximo’s facebook,  January 10th at 7 pm UTC

To follow the live on zoom enroll in: tinyurl.com/dem-energetica

In the context of climate inaction on the part of governments and institutions, and of energy poverty, a fair energy transition is urgent. 
 
The EU’s annual survey on Income and Living Conditions estimates that in 2018, Portugal was the fifth European country, and the second in the European Union, with the highest percentage of the population unable to keep housing adequately warm in winter. Furthermore, the Energy Observatory estimates that between 2 and 3.6 million Portuguese people suffer from some form of energy poverty. Also, in the EU, the data points to 37 to 98 million Europeans in a situation of energy poverty.
 

On the other hand, large fossil based energy companies, under the pretext of energy transition, take advantage of European funds, close unprofitable infrastructures, and guarantee the control of renewable energy production, without securing their workers’ income or creating dignified jobs.Cooperatives and energy communities have been important vehicles in promoting the production of renewable energy, and in the struggle for democratic control over energy production.

On  January 10th, at 7 pm (UTC) we will talk to Guilherme Luz and Molly Walsh.
 

Molly Walsh studied Environmental Science at UCD, in Ireland. She started her campaigning career working on Irish national Climate policy. She currently works at Friends of the Earth Europe in Brussels and campaigns  for the energy transition to be community owned. Her work includes coordinating the Community Power Coalition, advocacy work towards the EU and supporting the movement for energy democracy.  She is co-author of Community Energy, A Practical Guide to Claiming Power, launched in October 2020. It is available at http://foeeurope.org/sites/default/files/climate_justice/2020/community-energy-guide.pdf , and it aims to inspire and help understand the steps to create a community energy project, and thus promote an energy transition.In her free time she enjoys cooking, cycling and taking direct action against dirty energy.

 

Guilherme Luz is a cooperative enthusiast and a member of Coopérnico where he dedicates himself to technological innovation. He is also a PhD student in Sustainable Energy Systems at the University of Lisbon and a researcher in other projects. His research is highly interdisciplinary, from the social and political dynamics of the energy transition (on the role of prosumers and energy communities) to the modeling and optimization of energy systems.

Não conseguiste acompanhar? Vê o vídeo! You couldn’t make it? Watch the vídeo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Twitter
Instagram
RSS
Vimeo
Flickr
Climáximo