Radar Climático – 23 de Junho

Em Londres, estudantes protestam contra a decisão do Museu de Ciência aceitar o patrocínio da Shell

Ironicamente, o Museu da Ciência e a Shell fizeram uma parceria para financiar a exposição “Our Future Planet” sobre captura e armazenamento de carbono e soluções sustentáveis para a crise climática.

No passado sábado, o núcleo Londres da UK Student Climate Network (UKSCN) organizou uma ação directa no Museu, em protesto contra esta parceria.

Durante a tarde, um grupo de ativistas pendurou uma faixa com a mensagem Drop Shell sponsorship numa das arcadas do Museu, enquanto outros manifestantes fizeram discursos sobre a empresa e o aquecimento global, que foram transmitidos nas redes.

A ideia era ocupar o Museu e passar lá a noite, mas a polícia ameaçou detê-los caso não saíssem e eles abandonaram o edifício, prometendo voltar.

Fuga de metano massiva detectada na região de carvão da África do Sul

A um ritmo de 65 toneladas métricas por hora, o equivalente a 260 mil carros conduzindo a 100 km/h, foi detectada a pior nuvem de metano em África, este ano. Sasol, a empresa que detém várias explorações de carvão na zona, afirma que não detectou nenhum valor elevado nesse dia e que as suas emissões são dispersas e diluídas numa grande área. A realidade é que a indústria do carvão será responsável por gerar 10% das emissões de metano até 2030.

FMI quer estabelecer preço mínimo internacional para o carbono

O Fundo Monetário Internacional publicou na passada sexta-feira, dia 18, um relatório em que apela aos dirigentes dos países mais poluidores, para que adotem um preço mínimo internacional do carbono, que ofereça uma “perspetiva realista” no combate às alterações climáticas.

Fixar um preço do carbono é visto como um dos instrumentos mais importantes para reduzir as emissões de dióxido de carbono. Contudo, é uma falsa solução. Por um lado, este tipo de medidas coloca o fardo da transição energética nas populações mais desfavorecidas, por outro, esta medida apenas permitiria a redução das emissões globais em 23% até 2030, ficando aquém do corte de 50% das emissões globais necessário para garantir um aumento da temperatura média da Terra inferior a 1.5ºC até 2100.

Estudo da NASA e Noaa revela que a Terra está a acumular o dobro de calor do que acumulava em 2005

Investigadores afirmam que esta duplicação de energia provém de um aumento antropogénico dos gases com efeito de estufa e, de uma mudança “natural” no oceano pacífico, de uma fase fria para uma quente.

O estudo conclui o óbvio: se a acumulação não abrandar, podemos esperar grandes alterações no clima.

Ativistas climáticos levam Noruega a tribunal europeu dos direitos humanos por seus planos de exploração petrolífera no árctico

Ativistas climáticos, Greenpeace e Young Friends of the Earth levam Noruega ao tribunal europeu dos direitos humanos, pela decisão de 2016 de passar licenças de exploração de petróleo no mar de Barents. Os argumentos dos ativistas já tinham sido negados, culminando numa rejeição por parte do supremo tribunal do país, que determinava que permitir as licenças, não seria contrário à convenção europeia dos direitos humanos, pois estas não representavam “um risco real e imediato” para a vida e integridade física.

Tribunal de Bruxelas declara que falhanço das políticas climáticas públicas é uma violação dos direitos humanos

O tribunal de primeira instância de Bruxelas declarou que o Estado belga cometeu um crime ao abrigo da lei civil belga e violou a convenção europeia sobre os direitos humanos.

Segundo o tribunal, ao não tomar todas as “medidas necessárias” para prevenir os efeitos “prejudiciais” das alterações climáticas, as autoridades belgas violaram o direito à vida e o direito ao respeito pela vida privada e familiar.

A ONG que trouxe o caso, Klimaatzaak, saudou o julgamento como histórico, pela natureza da decisão. Esta vitória legal vem no seguimento de decisões semelhantes na Holanda, Alemanha e França, onde os juízes condenaram governos por respostas inadequadas à crise climática ou por não cumprirem as suas promessas. Contudo, esta decisão não acarreta quaisquer consequências legais ou financeiras para o Estado belga.

Grupo independente lançado para combater as alterações climáticas

14 especialistas de 10 países planeiam lançar, esta semana, um grupo independente para aconselhar, advertir e criticar, os decisores políticos, no âmbito da crise climática.

O objetivo é este grupo ter um alcance internacional e providenciar ao público em geral, uma análise regular sobre os esforços para combater a crise climática e a da biodiversidade.

Pretendem também emitir pareceres e responder a jornalistas sobre notícias como as decalarações dos G7, relatórios do IPCC, novas metas colocadas por governos, ações tomadas por empresas e propostas de geoengenharia, pressionando para que haja uma maior urgência nas medidas tomadas para combater a crise climática.

Rússia prepara-se para enfrentar maior onda de calor dos últimos 120 anos

Uma onda de calor irá atingir a Rússia esta semana. Serão alcançadas temperaturas de 36º, excedendo em 14º ou 15 º as temperaturas médias desta altura do ano.

Onda de calor escaldante no Sudoeste dos EUA

A onda de calor que está a atingir o oeste dos Estados Unidos está continuamente a quebrar recordes de temperatura na região, dando origem uma seca histórica e preparando a paisagem para um Verão e Outono de incêndios florestais extremos.

Salt Lake City atingiu um recorde de 42ºC, enquanto Las Vegas chegou aos 46.6ºC. A comunidade científica da região prevê que a onda de calor desta semana será apenas a primeira de várias, que irão atingir o sudoeste dos EUA antes do fim do Verão. As alterações climáticas foram identificadas como a principal causa destas ondas de calor extremo.

Mota-Engil ganha contrato de 294,7 milhões de euros de mineração no Mali

A Mota-Engil ganhou um contrato de mineração, avaliado em 357 milhões de dólares (294,7 milhões de euros) no Mali. “A Mota-Engil S.G.P.S. informa que foi adjudicada à sua subsidiária para a região de África, em parceria com uma empresa local, Inter-Mining Services (70%/30%), pela Societé des Mines de Morila, S.A., uma entidade detida em 80% por uma empresa australiana e 20% pelo Estado do Mali, um contrato de mineração no valor de 357 milhões de dólares norte-americanos”. O contrato, “cujos trabalhos decorrerão em três minas de ouro”, deverá arrancar em Agosto de 2021, tendo uma duração de 81 meses.

Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa foi cancelada

A Comissão Organizadora da marcha criticou a DGS por ter dado parecer negativo no dia anterior à marcha, recomendando medidas absurdas para o contexto, como a medição da temperatura corporal, instalações sanitárias de isolamento e um registo de todos os participantes.

Não é uma coisa nova a DGS recomendar este tipo de medidas. No entanto, noutras circunstâncias, seguiu-se em frente com os eventos planeados, tendo as organizações assumindo a responsabilidade de sair à rua num contexto pandémico, com as condições de segurança adequadas.

Neste caso, as pessoas acabaram por sair à rua na mesma (embora desprotegidas, pelo não envolvimento das organizações), mostrando que a luta não é adiável e que os direitos políticos não podem ser colocados em espera.

Demolições em Loures deixam várias pessoas sem tecto

A Câmara Municipal de Loures afixou um edital nas portas dos moradores do bairro de Montemor, na passada sexta-feira, dando 24 horas às pessoas para demolirem voluntariamente as suas próprias casas.

A Câmara afirma que os moradores estão a ser acompanhados pelos serviços de acção social do município e da Segurança Social. Contudo, não existe qualquer resposta de solução habitacional para pelo menos 9 agregados que foram despejados, entre os quais uma mulher grávida de 7 meses, a sua avó de 70 anos e um indivíduo em cadeira de rodas, que tiveram que pernoitar na rua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Twitter
Instagram
RSS
Vimeo
Flickr
Climáximo