Radar Climático – 14 de Julho

Ex-chefe da barragem Desarrollos Energéticos condenado pelo Assassinato da ambientalista indígena Berta Cáceres

Cáceres, vencedora do prémio Goldman para defensores ambientais, foi morta a tiros, dois dias antes de seu 45º aniversário, por pistoleiros contratados em 2 de março de 2016, após anos de ameaças ligadas à sua oposição à barragem de Agua Zarca de 22 megawatts.

O ex-oficial secreto do exército hondurenho treinado pelos EUA e presidente de uma empresa hidroelétrica internacionalmente financiada foi considerado culpado por ser co-colaborador no assassinato da ambientalista. O motivo do assassinato terão sido os atrasos e perdas financeiras que a empresa obteve com a liderança da campanha para impedir a construção da barragem que Cacéres liderou.

Prevê-se que o lugar mais quente da Terra esteja mais quente do que nunca – pelo menos em termos de temperaturas registadas nos tempos modernos

Death Valley, na Califórnia, registou altas temperaturas de 54.4°C na sexta-feira, de acordo com o National Weather Service. Estas serão as temperaturas mais altas registadas de forma confiável na Terra.

As altas temperaturas vão-se tornando recorrentes à medida que o Death Valley e outras áreas do oeste dos Estados Unidos são afetadas pelas alterações climáticas.

Cúpula de calor matou por volta de mil milhões de animais marinhos na costa do Canadá

Estima-se que mais de mil milhões de animais marinhos ao longo da costa do Pacífico do Canadá tenham morrido devido à onda de calor recorde da semana passada, alertam os especialistas, destacando a vulnerabilidade dos ecossistemas não acostumados a temperaturas extremas.

Tal foi a “cúpula de calor” que se estabeleceu sobre o oeste do Canadá e o noroeste dos Estados Unidos que por cinco dias empurrou as temperaturas nas comunidades ao longo da costa para os 40 ° C – quebrando recordes de longa data. Acredita-se que o calor intenso e implacável tenha matado até 500 pessoas na província de British Columbia e contribuído para as centenas de incêndios florestais atuais em toda a província.

A crise climática “pode ​​colocar 8 mil milhões em risco de malária e dengue”

Segundo o estudo da London School of Hygiene & Tropical Medicine (LSHTM), mais de 8 mil milhões pessoas podem correr o risco de contrair malária e dengue até 2080 se as emissões de gases com efeito de estufa continuarem a aumentar.

Os números são baseados em projeções de um crescimento populacional de cerca de 4,5 mil milhões no mesmo período e um aumento de temperatura de cerca de 3,7 ° C até 2100.

O estudo descobriu que se os níveis de emissão continuarem a aumentar nas taxas atuais, o efeito nas temperaturas globais pode prolongar as temporadas de transmissão em mais de um mês para malária e quatro meses para dengue nos próximos 50 anos.

Alguns países, como Eritreia, Sudão e Colômbia, viram um ressurgimento significativo da malária nos últimos anos, disse Rachel Lowe, professora associada da LSHTM e outra autora do estudo. O número de casos de dengue notificados à OMS aumentou mais de oito vezes nas últimas duas décadas, de 505.430 em 2000 para 5,2 milhões em 2019, acrescentou ela.

Bruxelas prepara o fim de carros poluentes já em 2035

A Comissão Europeia prepara-se para anunciar que todos os carros novos vendidos a partir de 2035 têm de ter zero emissões poluentes e vários construtores automóveis já anunciaram planos para a sua passagem ao “todo elétrico”. A Comissão deve propor em breve as suas orientações para alcançar a neutralidade carbónica em 2050, que incluem a supressão total das emissões com origem no automóvel a partir de 2035.

Assim, os únicos compromissos sérios que a Comissão Europeia assume passam pela promoção da venda de mais carros, deixando por resolver a problemática da utilização massiva do transporte individual. Documentos da Comissão indicam que o executivo europeu quer que as emissões das novas viaturas caiam para 65% em 2030 e zero em 2035. Estes padrões vão ser complementados com a obrigatoriedade de os governos nacionais desenvolverem a infraestrutura de carregamento dos veículos elétricos e a hidrogénio.

Estados Unidos sofreram 8 desastres com danos superiores a mil milhões de dólares cada neste ano

Um estudo dos EUA, que traça os desastres climáticos e meteorológicos que ocorreram nos primeiros seis meses de 2021, demarcou 8 desastres que apresentam perdas superiores a mil milhões de dólares cada neste período.

O evento mais caro até agora foi a tempestade de inverno de 10 a 19 de fevereiro e a onda de frio que gerou perdas diretas de aproximadamente 20 mil milhões de dólares. O próximo mais caro foi o severo surto climático de 27 a 28 de abril no Texas e Oklahoma, que causou 2,4 mil milhões de dólares em danos.

 Jessica Reznicek condenada a 8 anos de prisão por eco-sabotagem em Dakota Access Pipeline

Em Iowa, a ativista climática Jessica Reznicek foi condenada a oito anos de prisão por danificar partes do gasoduto Dakota Access em 2016 e ’17. Para além disto, também recebeu uma multa de quase 3,2 milhões de doláres para a restituição dos materiais danificados. Em 2016, Jessica Reznicek e sua colega ativista Ruby Montoya alegadamente incendiaram cinco peças de maquinaria pesada que estaria a ser utilizada para construir o oleoduto Dakota Access

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Twitter
Instagram
RSS
Vimeo
Flickr
Climáximo