Empregos para o Clima

O Climáximo quer lutar e envolver as pessoas na luta por uma mudança de sistema. Numa perspetiva que vai além de negociações protocolares como o Acordo de Paris, e focada em soluções de base, apoiamos a campanha de Empregos para o Clima.

Esta campanha reivindica em Portugal a criação de 100.000 empregos públicos dignos em setores-chave da economia para reduzir as emissões de gases de efeito de estufa em 60-70% em 12 anos: uma espécie de Serviço Nacional do Clima. É uma proposta política, fundamentada em análise científica, para conseguir a transição energética em Portugal de forma socialmente justa e dentro dos prazos necessários. Para estas reivindicações ganharem força mobilizadora, estamos a contactar sindicatos, associações de trabalhadores, organizações e grupos ambientais, para os envolver nesta luta.

Várias razões tornam esta proposta uma das mais relevantes para o contexto social e político português:

1) A austeridade deixou marcas profundas em Portugal ao nível da precariedade, assalto aos direitos e rendimentos dos trabalhadores e colapso de serviços públicos como a saúde e a educação. Ao mesmo tempo, a crise climática causa já (e promete continuar a causar) devastação às populações mais pobres e vulneráveis do mundo, Portugal não sendo exceção (com secas prolongadas, ondas de calor e incêndios descontrolados). A campanha Empregos para o Clima luta para resolver as duas crises ao mesmo tempo.

2) Faz falta uma dimensão de luta por algo (não apenas contra algo) para injetar força nas lutas sociais.

3) A Cimeira do Clima em Paris (COP-21) trouxe em 2015 a crise climática para a agenda pública sem que ninguém, nem mesmo as maiores ONGs ambientais, deposite grandes esperanças no acordo não vinculativo que de lá saiu. Em vez disso, a campanha visa construir um movimento de massas para garantir a transição energética justa de que precisamos.

Se és sindicalizad@ ou sindicalista, se pertences a alguma associação ambiental ou de combate à precariedade, visita o site da campanha ou contacta-nos para saberes como envolver-te nesta luta!

O Relatório com as exigências da campanha está também disponível aqui.
Facebook
Facebook
Instagram
RSS
Vimeo
Flickr