Formações para Organizadoras

Na sequência da declaração de emergência climática dentro do colectivo e das novas medidas que nos impusémos neste estado de emergência, queremos partilhar conhecimentos e capacitar activistas organizadoras de outros colectivos, do movimento pela justiça climática e de outros movimentos, para ajudar as lutas que são de todos.

Assim, disponibilizamos formações gratuitas em vários temas aos outros movimentos activistas.

Se o teu colectivo estiver interessado em algum dos temas que listamos abaixo, contacta-nos! Propõe-nos datas e um espaço disponível.

Activismo climático

Quanto tempo? – um dia inteiro
Quem? – todas as pessoas
O quê? – ciência climática, políticas energéticas, movimentos pela justiça climática, estratégias de luta
Ler mais

A ciência é inequívoca: temos, no máximo, dez anos para travar a crise climática que está a conduzir a civilização ao caos, reduzindo as emissões de Gases com Efeito de Estufa para metade, o que significa mudar tudo nas nossas sociedades.

Até agora, a inacção dos governos e das grandes empresas que dominam o mundo só tem acelerado o ritmo a que nos conduzem rumo ao caos climático.

A década que passou foi a prova inequívoca da existência da crise climática, que provocou e normalizou várias catástrofes naturais tidas como raras e bateu recordes a todos os níveis. A um ritmo intensificado de ano para ano, as alterações climáticas impuseram-se como o verdadeiro desafio para a Humanidade. 2020 marca o início de uma década crucial para a acção climática.

É urgente formar e capacitar activistas para responder a este desafio.

Nesta formação explicamos os factos científicos das alterações climáticas, falamos das causas sistémicas que estão na origem da crise, das políticas energéticas e climáticas em vigor, de movimentos pela justiça climática, de estratégias de luta, e de como nos devemos organizar para sermos eficazes nos próximos passos da luta.

Facilitação de Reuniões

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – pessoas organizadoras dos movimentos sociais
O quê? – preparação e facilitação das reuniões
Ler mais

Nesta formação, dirigida para as pessoas organizadoras dos movimentos, abordamos vários aspectos, do planeamento à preparação, da execução à documentação duma reunião, e introduzimos também metodologias de facilitação utilizadas por diversos movimentos sociais no mundo.

Justiça Global e Solidariedade

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – activistas e organizadoras dos movimentos sociais
O quê? – como construir laços de solidariedade com os povos e com as lutas do Sul Global
Ler mais

Há quem alimente o fogo e há quem perca a sua vida no fogo. A justiça climática distingue os responsáveis e os afectados da crise climática, pondo a crise num contexto social e político de justiça social. Há séculos que milhões de pessoas estão a sofrer, vítimas do colonialismo e imperialismo, e são essas pessoas que estão nas linhas da frente da crise climática.

Nesta formação, queremos explorar o que uma luta pela justiça global podia significar, e como podemos criar laços de solidariedade com os povos e com as lutas do Sul Global para além de explorar as dinâmicas sistémicas de dependência num mundo euro-centrista.

Comunicação Activista

Quanto tempo? – o dia inteiro
Quem? – activistas e organizadoras dos movimentos sociais
O quê? – como formar e preparar equipas de média para as organizações e colectivos
Ler mais

Nesta formação, formamos e preparamos equipas de média para as organizações e colectivos. Explicamos como montar equipas de média para acções e eventos, como comunicar as acções, e como utilizar as redes sociais. Depois, discutimos como desenhar uma estratégia de comunicação e trabalhamos em construir a estratégia para as nossas organizações.

Teorias de Mudança e Escalamento de Conflito (3h)

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – organizadoras dos movimentos sociais
O quê? – estratégias e tácticas que as organizações utilizam para atingir a mudança que pretendem
Ler mais

You may well ask: “Why direct action? Why sit ins, marches and so forth? Isn’t negotiation a better path?” You are quite right in calling for negotiation. Indeed, this is the very purpose of direct action. Nonviolent direct action seeks to create such a crisis and foster such a tension that a community which has constantly refused to negotiate is forced to confront the issue. It seeks so to dramatize the issue that it can no longer be ignored. My citing the creation of tension as part of the work of the nonviolent resister may sound rather shocking. But I must confess that I am not afraid of the word “tension.” I have earnestly opposed violent tension, but there is a type of constructive, nonviolent tension which is necessary for growth. Just as Socrates felt that it was necessary to create a tension in the mind so that individuals could rise from the bondage of myths and half truths to the unfettered realm of creative analysis and objective appraisal, so must we see the need for nonviolent gadflies to create the kind of tension in society that will help men rise from the dark depths of prejudice and racism to the majestic heights of understanding and brotherhood. The purpose of our direct action program is to create a situation so crisis packed that it will inevitably open the door to negotiation.

Letter from a Birmingham Jail, 16 April 1963, Martin Luther King Jr.

Nesta formação, discutimos as teorias de mudança que várias organizações têm sobre diversos assuntos e analisar as estratégias e tácticas que as mesmas utilizam para atingir a mudança que pretendem. Depois, discutimos como e porque utilizamos estratégias de escalamento. Esta segunda parte é relacionada com o “momentum-driven organising”, um dos princípios da Extinction Rebellion. É uma ferramenta organizacional que foi utilizada em mobilizações como Rebelião em Lisboa, Fechar Almaraz, Parar o Furo e Camp–in–Gás.

Ciência climática

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – todas as pessoas
O quê? – vários aspectos da ciência climática
Ler mais

Esta formação aborda os aspectos científicos do clima. Explicamos como funciona o efeito de estufa e as emissões de gases com efeito de estufa, as causas e consequências das alterações climáticas, o papel das políticas internacionais e das Conferências das Partes das Nações Unidas, o Acordo de Paris. Falamos também do conceito de Justiça Climática e da situação específica de Portugal.

Esta formação pode ser adaptada para necessidades e interesses específicos do contexto social ou do contexto organizacional.

Capitalismo e Clima

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – todas as pessoas
O quê? – a ligação entre o sistema socioeconómico actual e a crise climática
Ler mais

Nesta formação falamos da história da ciência climática, nomeadamente da história alternativa da ciência climática e a origem antropogénica das alterações climáticas. Abordamos também a evolução do capitalismo e da sua relação com combustíveis fósseis e, finalmente, falamos de soluções para a crise climática.

Esta formação faz a ligação entre a crise climática e a justiça climática.

Soluções falsas e soluções verdadeiras

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – todas as pessoas
O quê? – várias propostas de soluções para a crise climática
Ler mais

Nesta sessão, discutimos várias propostas de soluções para a crise climática, fazendo a oposição entre as soluções de mercado e capitalismo verde e a transição justa. Abordamos o impacto do estilo de vida de cada um nas alterações climáticas, as soluções tecnológicas (techno-fix) para a crise climática, as soluções falsas e soluções verdadeiras para a crise climática.

Esta formação é uma variação da formação Capitalismo e Clima. É menos dirigida à teoria e mais focada nas políticas energéticas e climáticas existentes no panorama internacional.

Justiça climática

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – todas as pessoas
O quê? – as ligações estruturais entre as injustiças sociais e a crise climática
Ler mais

Nesta formação debruçamo-nos sobre o balanço entre as origens das emissões de gases com efeito de estufa e os seus impactos, entre as grandes injustiças e justiça social, entre responsáveis pela crise climática e as maiores vítimas da mesma e porque falamos em urgência.

Campanha Empregos para o Clima

Quanto tempo? – 2 horas
Quem? – todas as activistas
O quê? – transição justa e Empregos para o Clima
Ler mais

Nesta iniciativa, apresentamos os princípios da campanha Empregos para o Clima, como é possível combater a precariedade e a crise climática através da criação de milhares de empregos públicos, dignos, socialmente úteis e que reduxem emissões. Vamos apresentar os principais argumentos e conceitos-chave, explicar a história da campanha em Portugal e no mundo, e discutir os planos da campanha.

Desobediência Civil

Quanto tempo? – 3 horas
Quem? – todas as activistas
O quê? – acção directa não-violenta, desobediência civil, decisões colectivas e rápidas
Ler mais

Na nossa Formação de Desobediência Civil treinamos técnicas de acção directa não-violenta, percebemos a função de Grupos de Afinidade e de vários papéis necessários ao desenrolar de acções com diversos graus de confrontação.

Instagram
Vimeo
RSS
Flickr